Mais do que algo imaterial, disponível em um papel e inflexível, o planejamento estratégico para empresas sempre precisa estar em evolução, mudança, discussão e análise da realidade de uma organização. A leitura de um plano deve ser crítica, coerente, profunda, sistemática, que leve em consideração, com clareza, o papel que uma empresa deseja possuir no mercado. Enfim, um planejamento estratégico necessita de maximizar seus objetivos, minimizar suas deficiências e proporcionar eficiência.

De acordo com Hermano Wrobel, consultor organizacional da HMW Consultores e Coaching, o planejamento estratégico direcionado à empresas tem a ver com orientação e decisões. “Gestores e colaboradores conscientes dos rumos estabelecidos para a empresa tem condições para tomar decisões ou estabelecer a maneira que as atividades devem ser executadas”, ressalta.

O melhor momento para realizar um planejamento estratégico é na concepção de um negócio, mas muitos empresários não possuem a prática de planejar, arriscando e sofrendo as consequências de algo ter 50% de chance de dar certo e 50% errado. Para Wrobel, portanto, sempre é possível rever essas questões. “Nunca é tarde. O importante é que o empresário tenha consciência da necessidade de planejar e que incorpore uma cultura de planejamento. Uma coisa posso afirmar: empresa que elabora seu planejamento estratégico tem mais possibilidade de dar certo que uma que não faz isso”, observa.

Etapas

Para realizar um planejamento estratégico, as empresas precisam ter em mente quatro pontos:

  • Definir o negócio: quando se fala da sua empresa, qual o primeiro significado que vem a mente? Definir isso é importante para que ela seja percebida de forma correta;
  • Definir a visão de futuro: Visa-se o futuro e qual a imagem ideal e desejável que se quer ter da empresa. Atrelado a isso, prevê-se a máxima satisfação dos clientes;
  • Definir a missão: É o coração da empresa. Nesse ponto é preciso responder a pergunta: “Qual é a razão de ser de minha empresa?”; e
  • Definir os valores ou princípios filosóficos: Uma empresa é regida a agir e decidir por seus valores e princípios.

Após essas definições, os líderes e a equipe de colaboradores deverão realizar uma análise do ambiente, no que tange seus aspectos internos e externos, elencando seus pontos fortes e fracos, a partir de uma observação minuciosa e detalhada.

Para Hermano o principal risco em se fazer um planejamento estratégico encontra-se em uma leitura errônea dos cenários, tanto internos quanto externos de uma organização. “As pessoas iniciam um empreendimento sempre com um grau de expectativa muito alto, dizendo que “vai dar certo”. Isso é saudável, pois impulsiona as pessoas para viabilizar o negócio, mas pode influenciar negativamente na leitura dos cenários e “contaminar” a percepção da realidade”, explica o consultor organizacional.

A possibilidade de sucesso de uma empresa poderá existir se ela planejar e orientar com efetividade o processo organizacional e seguir uma série de recomendações. “Sempre alerto meus clientes no sentido de levantarem de forma isenta suas potencialidades e carências; as oportunidades (reais) que o mercado oferece; e se manterem em alerta para os obstáculos que poderão encontrar”, confidencia Hermano.

O próximo passo, logo depois de analisar sua empresa interna e externamente, é estabelecer estratégias de longo prazo, que podem ser:

  • Conjuntos de ações: que devem ser desenvolvidas num horizonte temporal acima de 02 anos;
  • Planos de curto prazo: que se pretende desenvolver num horizonte temporal de 01 a 02 anos; e
  • Metas: ações dos planos quantificadas para se cumprir a missão da empresa.

Após o planejamento estratégico, resta que empresas o monitorem de forma sistemática e correta.

Startups e empresas inovadoras

Hermano Wrobel resolveu trabalhar com um público de empresas específico para realizar planejamento estratégico: startups e empresas inovadoras. Ele percebeu que poderia aproveitar o potencial desses jovens de empreender e crescer rapidamente. “Eu contribuiria para o sucesso dessas startups, orientando os empreendedores para elaborarem seu planejamento estratégico”.

O consultor organizacional, portanto, percebeu uma deficiência ao realizar planejamento estratégico para startups e empresas inovadoras. “Os empresários investem muito na atividade finalística do seu negócio, mas relegam a um segundo plano a forma de gerir. Meu trabalho abrange também a análise do modelo mental adequado para  a gestão do negócio, procurando reduzir o risco de uma empresa mal gerida”.

Dois exemplos

Hermano possui dois exemplos distintos de empresas em que realizou planejamento estratégico. Um trabalho já foi concluído e o outro está em fase de desenvolvimento, mas já mostra bons resultados.

Parque Tecnológico de Brasília

A elaboração do planejamento estratégico do Parque Tecnológico de Brasília (atual Biotic, antigo Capital Digital) foi realizada no momento de concepção do projeto, em 2002. “Os empresários que lideraram esse processo já eram meus clientes e tinham a consciência que o parque só seria viável se houvesse esse planejamento”, relembra Wrobel.

Contudo, Wrobel classifica esse trabalho como frustrante e que ele só ficou no papel. “As decisões políticas se sobrepuseram às decisões empresariais e o planejado não saiu do papel. Em outras duas oportunidades, o refizemos, incorporando novas leituras dos cenários da época e, novamente, o planejado não foi executado”.

As falhas do projeto e os caminhos que ele tomou, só afirmam uma coisa para Hermano: é preciso ser pautado pelo planejamento. “Mais importante que planejar, é viver o planejamento e fazer com que aquilo que foi planejado oriente, efetivamente, o processo diário das organizações”.

Bizmeet

Atualmente o consultor realiza um planejamento estratégico para o Bizmeet que ainda está em processo de desenvolvimento. Ele percebeu que os empresários estão engajados no trabalho, realizado em sintonia. “Refletimos em conjunto e o entendimento do que acontece fica claro, opções de solução são identificadas e aquilo que é aprovado em consenso é implementado. Entendo que esse é o caminho do sucesso”.

A newsletter do Bizmeet traz informação de valor para empresários e decisores corporativos. Não deixe de acompanhar!