Criação do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia vai ajudar a atingir esse objetivo

Em reunião para instalação das comissões temáticas do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT) que aconteceu nesta semana, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, enfatizou o esforço do governo federal na recuperação de recursos e investimentos para o setor de ciência, tecnologia e inovação nos últimos meses.

“[O CCT] É um fórum informal que baliza todas as ações e decisões do ministério”, afirmou”, afirmou. Ao todo, são seis comissões temáticas de apoio ao CCT: Assuntos Cibernéticos; Capital Humano; Financiamento, Cooperação Internacional e Avaliação; Marco Legal; Pesquisa e Infraestrutura; e Tecnologia e Inovação. Os grupos são constituídos por representantes do governo federal, da comunidade científica, de universidades e representantes de usuários e produtores de ciência e tecnologia.

Segundo Kassab, que também é coordenador do Conselho Consultivo do CCT, o trabalho dos grupos de apoio contribuirá para propor temas a serem discutidos nas reuniões plenárias do colegiado e avaliar a execução da Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação. O Conselho servirá para aproximar e promover a integração entre os diversos setores envolvidos com a ciência, tecnologia e a inovação do País.

“Assim que assumimos o ministério, percebemos o distanciamento que havia entre as decisões de governo com a comunidade, além do profundo descaso orçamentário com todas as instituições, uma situação muito difícil. Então, criamos esse Conselho Consultivo”, explicou. Presente no encontro, o presidente do Brasil, Michel Temer, ressaltou a importância do setor para o desenvolvimento social e econômico do País. Temer afirmou que ciência, tecnologia e inovação são estratégicos para o Brasil e para o mundo.

E os empreendedores e profissionais, onde ficam nas políticas de CT&I?

Sabemos que as políticas de Ciência e Tecnologia valorizam os cientistas. Bilhões são investidos em bolsas e programas de fomento para a área científica. Porém, as demais, também de grande importância para a sociedade, são pouco exploradas. Sugerimos que o Conselho de Ciência e Tecnologia (CCT) seja constituído também por lideranças empreendedoras e profissionais de tecnologia e inovação.

O Brasil tem o pior desempenho em inovação, mostra estudo da CNI e do Sebrae

Mesmo com investimentos altos em CT&I, o Brasil não é visto como uma âncora em inovação. A Agenda da área no país retrocedeu nos últimos seis anos. O Brasil vai na contramão de países desenvolvidos e emergentes, conforme pesquisa apresentada em reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI), e tem a pior perfomance entre os integrantes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O estudo da CNI constatou também que a China tem resultados consideravelmente melhores que os demais países, estando em 25º no ranking geral. O Brasil aparece na 69ª colocação.

Por Juliana Ribeiro, com informações do ITFORUM e CNI