fbpx

Select Page

Pesquisa mostra que equipes estão se sentindo mais unidas na pandemia

Pesquisa mostra que equipes estão se sentindo mais unidas na pandemia

Segundo dados da Pulses, o distanciamento social não está sendo um impeditivo para os colaboradores se sentirem próximos dos colegas de trabalho

De acordo com uma pesquisa feita pela Gallup (empresa de pesquisa de opinião nos EUA), empresas onde colaboradores são melhores amigos tem números diferenciados no mercado. Conforme o estudo, 2 em cada 10 empregados têm melhores amigos no trabalho. Porém, a estimativa é de que, se esse número subir para 6 a cada 10, as empresas terão 12% a mais de lucros, 36% menos de acidentes de segurança no trabalho e 7% a mais de engajamento.

Mas, com o distanciamento social em função da pandemia da Covid-19, como estão as amizades e produtividade das equipes? Segundo dados da Pulses, startup que tem soluções de clima organizacional medidos de forma contínua, a quarentena não está sendo um impeditivo para os colaboradores se sentirem próximos. Em uma amostra com 44.800 respondentes, foi possível perceber um aumento de 4 pontos em relação ao espírito de equipe (saindo de uma média de 78,84 para 83,44). “As nossas pesquisas mostram que a percepção sobre o relacionamento interpessoal aumentou de forma considerável nesta época de isolamento. Apesar de fisicamente distantes, os times estão encontrando meios de permanecerem próximos e trabalhando de forma conjunta para o alcance dos objetivos, seja através de reuniões ou happy hours virtuais”, comenta Michelly Dellecave, CMO da Pulses.
Para o CEO da Motoboy.com, Jonathan Pirovano, essa é, de fato, a realidade. “Nossa percepção é que, com a pandemia, as pessoas tentam se unir naturalmente, como forma de proteção. Ficou mais simples manter o time unido nesse momento”, avalia.

Na startup de Joinville (SC), especializada em entregas ultrarrápidas, as melhores amigas Kathia Kellin Bordelack e Paloma Elizabeth Hellmann não se deixaram abater, mesmo durante a pandemia. Elas se conheceram na Motoboy.com e os gostos em comum as aproximaram naturalmente. “A Kathia é apaixonada por quebra-cabeças e, um dia, ela me convidou pra montar um com ela. Isso nos uniu, porque ele era enorme e passamos um bom tempo juntas para terminá-lo”, lembra Paloma.
Depois disso, passaram a ser companhia uma da outra em várias atividades: pedaladas, caminhadas, compras no shopping, passear com cachorros e até criaram a “Festa do Pão de Alho”, onde reúnem todos os colegas para montar quebra-cabeças e comer pão de alho, um gosto em comum da equipe. “O clima de descontração é maior e acabamos não focando apenas em problemas de trabalho”, explica Bordelack.

É o mesmo caso dos amigos Leonardo Oliveira e Gustavo Bittencourt, da WK Sistemas, empresa de Blumenau referência em ERP. Eles fizeram faculdade juntos, mas passaram a ser mais amigos quando começaram a trabalhar na mesma empresa. “Nós passamos a almoçar juntos todos os dias, compartilhávamos caronas, fazíamos trabalhos acadêmicos juntos… Hoje temos uma relação bem mais próxima, e costumamos jantar e fazer passeios nos fins de semana”, comenta Leonardo.
Para ele, faz toda a diferença ter um amigo no ambiente corporativo: “A relação de amizade faz com que os diálogos no trabalho sejam mais leves e descontraídos, e ainda traz um ar de familiaridade e conforto em situações complexas do dia a dia técnico. Como nós passamos grande parte do tempo trabalhando, a sensação de ter um grande amigo por perto é ótima”, comenta.

Em tempos de pandemia, as amizades dos quatro continuaram intactas, mesmo com as restrições. “Continuamos convivendo de forma muito próxima, apenas respeitamos o distanciamento. Como não podemos mais fazer as coisas que mais gostávamos, adaptamos. As conversas através das redes sociais, ligações e chamadas de vídeos aumentaram e, assim, nos sentimos mais próximas quando precisamos de alguém”, conta Paloma. As compras no mercado, mesmo sem a companhia de sempre, continuam sendo um elo entre as amigas. “Há uns dias, fui fazer compras sozinha, mas lembrei da Paloma. Comprei a bebida preferida dela e um chocolate e mandei entregar. Foi uma forma de nos mantermos próximas”, lembra a colega. Para Leonardo e Gustavo, o isolamento também não trouxe problemas para o relacionamento – pessoal ou profissional: “Estar longe fisicamente do trabalho acabou não fazendo tanta diferença pra gente, porque nenhuma distância afeta um bom trabalho e uma boa amizade”, ressalta Oliveira.

Mesmo antes do coronavírus, a Motoboy já adotava o home office eventualmente, o que ajudou o time a manter o trabalho em momento de pico: de acordo com o Google, as buscas por serviços de entregas aumentou em 300% devido ao isolamento social. “Pessoas realmente focadas rendem bem de forma remota”, conclui Pirovano. “Ainda é difícil prever como será daqui pra frente, mas iremos continuar com essa prática de acordo com o caso”, encerra o CEO.

Sobre o Autor

Redação

O Bizmeet é um das principais referências do Centro-Oeste nas áreas de Tecnologia e Inovação. É ganhador de prêmios regionais e até mundialmente reconhecido. Empresas e instituições de grande renome já investiram em iniciativas do portal

Sugestão de Pauta

Parcerias

Newsletter

Inscreva-se para receber notícias e atualizações.

Sua inscrição foi realizada com sucesso

Share This