Select Page

Um gargalo em Tecnologia da Informação: falta de profissionais

Um gargalo em Tecnologia da Informação: falta de profissionais

A área de tecnologia está em plena ascensão. Cada vez mais entidades públicas e privadas utilizam novas tecnologias dotadas de inovação para saírem a frente no mercado e conquistar seus diversos públicos. Hoje em dia, nenhuma organização sobrevive mais sem tecnologia. O mundo está conectado digitalmente e o uso de smartphones é massivo.

Contudo, segundo estimativas de organizações como a Softex, faltam profissionais qualificados para suprir a demanda na área. Ou seja, um verdadeiro gargalo em um setor carente e promissor. De acordo com a entidade, caso não haja investimentos para capacitação de mão de obra voltada para TIs, o setor de software e serviços pode perder cerca de R$ 115,4 bilhões de receita líquida até 2020.

Por qual motivo esse problema existe? Seguem as possíveis causas:

1) Trata-se de uma área estressante, que exige constante atualização
Quem já foi, ou é profissional de TI, sabe que a qualificação e estudo é algo importante.

2) Alto valor dos cursos e certificações
Gastos com cursos, livros e certificações são fundamentais para manter-se no mercado, além do tempo investido em horas de estudo. Tais investimentos são de alto valor, o que pode deixar as pessoas receosas em aprimorar seus conhecimentos.

3) Falta de incentivo governamental
Atualmente, não há um programa do GDF na área de Tecnologia e Inovação. Vários cursos gratuitos em TI durante a gestão do ex governador Agnelo Queiroz foram promovidos, mas é preciso que se intensifique essa qualificação, com cursos constantes, profundos e profissionalizantes, que não sejam ministrados apenas em uma temporada, e sim, que sejam fixos.

4) Grande parte das políticas públicas para CT&I é destinada à Ciência e pouca para Tecnologia e Inovação
São bilhões investidos em pesquisas que geram pouco resultados para a sociedade. A área de Tecnologia e Inovação possui recursos e projetos excelentes que dariam boa visibilidade se recebessem ajuda e recursos do governo.

Problemas futuros

As empresas, startups e a inovação tecnológica do Brasil dependem de profissionais qualificados. Investir em Cidades Inteligentes, Internet das Coisas, Big Data, Blockchain e outras demandas requer pessoas com conhecimento sobre os assuntos. Essa lacuna deficiente pode gerar perdas milionárias ou até bilionárias para o crescimento das organizações.

Exemplo a ser seguido

Recentemente, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sedectes) de Minas Gerais abriu inscrição para as turmas de capacitação em TI da Universidade Aberta Integrada (Uaitec), ofertando 24 mil vagas em todos os 17 territórios da região.

A iniciativa fortalece o estado, que já figura como o segundo maior ecossistema de Tecnologia da Informação do Brasil.

Próximos passos

Uma sugestão, para a mudança desse quadro, é a elaboração de consultas públicas realizadas pelo GDF, com o objetivo de conhecer as demandas das organizações em Tecnologia e Inovação. A partir desses dados, programas de qualificações poderiam ser colocados em prática.

Por Juliana Ribeiro, com revisão do jornalista Emerson Garcia

Sobre o Autor

Juliana Ribeiro

É uma das responsáveis pelo Bizmeet: um site com informações de valor para tomadores de decisão em Tecnologia (executivos, empresários,diretores, CEO's e gestores estratégicos). Coordenadora do grupo Executivos TI - https://www.facebook.com/groups/executivosti/ . É sócia da Wend Tecnologia, empresa cujas iniciativas já foram destaque em mídias como: Revista Wide, Site da Fecomércio, Programa Tendências e Negócios, Revista Refile e outros... Foi Coordenadora da Rodada de Negócios da BPW (uma associação internacional voltada para mulheres de Negócio), Diretora de Relacionamento da ACDF, Vice-presidente da Cooperativa de Cultura Empresarial de Brasília e Diretora de Voluntariado do PMI-DF.

Share This

Newsletter

Inscreva-se para receber notícias e atualizações.

Sua inscrição foi realizada com sucesso